0

Nenhum produto no carrinho.

Traça das crucíferas

traça 2

O que é a traça das crucíferas?

Para aqueles que cultivam plantas da família das brássicas (repolho, couve, brócolis, etc), a pequena mariposa Plutella xylostella é um grande pesadelo.

A traça das crucíferas pode ocorrer durante todo o ano nas lavouras. No período chuvoso a densidade populacional é baixa devido à remoção dos ovos das folhas e à morte de larvas e pupas por afogamento. Períodos com ausência de chuvas e temperaturas ao redor de 22°C favorecem o crescimento populacional.

A praga pode causar perdas de 100% em produções de repolho por tornar o produto impróprio para comercialização, pois alimenta-se da parte externa ou interna das folhas, inutilizando-as para o consumo.

Os danos causados depreciam o produto, interferem no crescimento da planta e até mesmo provocam a sua morte ou perda total.

A mariposa coloca ovos em pequenos grupos do lado de baixo das folhas, após cerca de cinco dias, eclodem as lagartas que penetram na folha e ali se alimentam como minadores por dois ou três dias, posteriormente saem e começam a comer a epiderme até causar furos que inviabilizam a comercialização do produto.

É um inseto de ciclo curto, cuja temperatura é fator determinante, pois em condições mais quentes o ciclo pode se dar em apenas 12 dias, e em dias frios, esse período varia de 15 a 20 dias. A praga pode apresentar um grande número de gerações por ano.

CONTROLE

Algumas das dificuldades observadas no controle desta praga se devem ao fato das áreas de cultivo coexistirem durante o ano todo, com plantas de diferentes idades, proporcionando à praga quantidade abundante e contínua de alimento; além disso, devido ao seu hábito alimentar, a fase larval encontra-se protegida no interior da folha.

O controle mais realizado para praga é o químico havendo só para cultura do repolho mais de 40 produtos registrados. Porém, um grave problema do controle químico é a seleção de populações resistentes, que ocorre devido ao uso incorreto dos inseticidas (repetição de um mesmo produto).

O manejo da resistência pode ser feito pela rotação de produtos, controle biológico ou ainda uso de microrganismos entomopatogênicos.

Outra estratégia é o uso de cultivares resistentes a praga. Pode-se utilizar cultivares que desfavorecem seu desenvolvimento.

O repolho TACOMA RZ, apresenta uma boa cerosidade, assim o inseto tem mais dificuldade para se alimentar e continuar o seu ciclo.

Autor: Maíne Martins, coordenadora de ensaios da estação experimental Rijk Zwaan Brasil.

Deixe um comentário