0

Nenhum produto no carrinho.

Tudo que você precisa saber sobre damping off (ou tombamento de mudas)

tombamento de mudas

Identificado nos primeiros estágios de desenvolvimento da planta, o fungo Rhizoctonia solani causa podridão nas raízes e redução da germinação da semente. Ou seja, é o patógeno responsável pelo damping off, ou o popularmente conhecido tombamento de mudas.

Geralmente, os sintomas mais graves aparecem na primavera, quando a temperatura do solo está mais baixa e a humidade, elevada.

Por ser uma doença bem comum, separamos tudo que você precisa saber sobre damping off abaixo.

tombamento de mudas

O que é damping off ou tombamento de mudas?

Damping off, do termo em inglês, pode ser traduzido como tombamento de mudas recém germinadas. Sua principal característica é ser resultante de associação entre patógenos e uma fase mais suscetível da planta.

Em condições normais, poderia nem provocar doenças, mortes ou perda de algumas plantas por m².

A doença pode ser causada por uma série de fungos e bactérias. Os mais comuns são patógenos presentes no solo ou sementes contaminadas, cuja infecção ocorreu durante o ciclo de produção.

Poderia-se citar entre os principais causadores de damping off os fungos Fusarium spp, Pythium spp, Phytophthora spp, Colletotrichum spp, entre outros, incluindo algumas bactérias. Como as condições de ocorrência e manejo/controle são distintas, estes serão abordados separadamente, em outros posts.

Como ocorre?

No caso do damping off causado por Rhizoctonia spp, sempre há um ponto de podridão inicial, que pode ser uma semente, no meio do lote, que mela o tecido e este vai avançando para outras plantas.

Áreas com maior acúmulo de umidade dentro do lote são infectadas mais rapidamente com o tombamento de mudas. Muitas vezes as plantas recém germinadas simplesmente secam e então o stand (número de plantas por m²) é perdido.

O que causa damping off?

Rhizoctonia é um fungo de solo, que, com os milhares de anos de evolução, perdeu a capacidade de se disseminar por esporos.

Isso é importante porque é uma das formas de identificar o sintoma em campo. Diferente dos outros fungos que têm esporos, essa doença não ocorre a partir de um ponto e se irradia, formando círculos ao redor, mas acontece por caminhamento.

De maneira aleatória, vai se formando um rastro de podridão no tecido da planta, junto à superfície do solo (geralmente logo abaixo do tecido infectado).

Como todos os demais fungos, o Rhizoctonia prefere condições de alta umidade. Porém, a questão de temperatura é um pouco controversa, pois a condição de sobrevivência deste é a mesma do crescimento da maioria dos vegetais: na prática, a doença ocorre quando a planta se encontra em condições de stress, ou seja, muito abaixo ou muito acima do ambiente ideal de cultivo, seja com relação a temperatura, pH, Ec, oxigenação e até stress hídrico.

Por isso o damping off é conhecido como tombamento de mudas: por ser uma planta recém germinada, estaria na condição perfeita de stress, pois é a fase em que a planta depende exclusivamente das reservas da semente até se estabelecer e se tornar autossuficiente para crescer.

Como manejar?

Hidroponistas que não cultivam sua própria muda dificilmente teriam damping off por Rhizoctonia. No entanto, podem ter problemas decorrentes de um tombamento de mudas mal controlado na fase inicial, com introdução de plantas contaminadas no sistema de produção.

Isso significa que, se a planta estiver estressada ou em condições muito fora das condições ideais de cultivo, pode ocorrer infecções, de modo bem menos agressivo do que em mudas, é claro, já que o tecido vegetal se encontra naturalmente mais resistente.

E, neste caso, é interessante considerar comprar diretamente de um viveirista idôneo e que adota boas práticas culturais de produção e sanidade, para se ter mudas de boa qualidade.

Para o hidroponista que faz sua própria muda, além do uso de uma semente certificada e, muitas vezes, tratada, o cuidado com o substrato e instalações mantidas limpas são importantes para que não haja esse problema durante o sistema produtivo, existindo ainda inúmeros fungicidas químicos passíveis de serem usados no seu controle.

Retirar a bandeja contaminada do lote para se proceder com o controle pontual é essencial. A mudança de ambiente também ajuda na melhor circulação de ar e minimiza a condição de microclima favorável para a ocorrência da doença.

Todas as boas práticas de manejo, como escolha de um substrato idôneo, irrigação e fertilização adequada das mudas, utilização de sementes certificadas, que podem ser encontradas aqui, são importantes para uma produção saudável e lucrativa.

 

Deixe um comentário